Invoice Home Blog

Tecnologia e Economia: Como Tel Aviv se tornou a Cidade Start-up

Publicado Junho 14, 2019

Business Invoice


O que acontece quando uma cidade abraça as capacidades que a tecnologia tem para oferecer? O que leva as cidades a escolherem tornar a tecnologia um foco central? Vamos explorar algumas cidades que a revolução tecnológica mudou.




Como uma cidade vai de




Isto:



Fonte: The Library Tel Aviv



e isto:



Fonte: Museums Victoria Collections








Para isto:



Fonte: H.R.V.A.C.



e isto:



Fonte: Google Maps





Em apenas 100 anos?


Há várias razões, mas gostaria de falar sobre uma delas. Tecnologia.

Um panorama histórico muito (muito) breve.



Tel Aviv foi fundada em 1909 por um grupo de colonos judeus que viviam em uma (antiga) cidade próxima. Os colonos originais eram (principalmente) imigrantes de classe média da Europa Ocidental e da América do Norte. Depois que a Segunda Guerra Mundial terminar, muitos judeus que sobreviveram ao holocausto deixaram a Europa para ir para a Palestina. Depois de se defender com sucesso em sua guerra da independência, Tel Aviv tornou-se a capital de facto internacionalmente reconhecida, uma vez que era a maior cidade do país (Jerusalém estava dividida entre a Transjordânia e Israel) e a localização do maior aeroporto internacional do país.


Como Israel era um protetorado britânico, o inglês era a língua oficial; no entanto, foi removida em 1948, mas depois tornou-se obrigatória na educação em 1980. O país fez um esforço concertado para abrir a economia ao comércio internacional (embora o inglês seja bastante comum, no dia a dia há uma preferência pelo hebraico ou árabe).

Os Originais



A primeira empresa de tecnologia de sucesso, a ECI Telecom Ltd (Empresa Eletrônica de Israel), foi fundada em 1961, especializada em redes (especificamente em redes telefônicas cabeadas). Seguiu-se a Tadiran, que se concentrou no desenvolvimento e fabricação de componentes, e a Elron Electronic Industries, com foco em instrumentos de medição médicos e eletrônicos. Na mesma época em que essas três empresas estavam entrando no mundo da alta tecnologia, a IBM e a Motorola abriram operações no país.


Estas empresas foram o início de um lento processo de desenvolvimento em Israel, com sua indústria de tecnologia crescendo lentamente nos próximos 30 anos. Em 1984, o Knesset (Parlamento) aprovou uma lei para incentivar o desenvolvimento nos campos científico e tecnológico. No ano seguinte, a primeira firma de capital de risco abriu no país. Em 1993, a indústria havia crescido o suficiente para que o Knesset estabelecesse um fundo de capital de risco dedicado, o Yomza, para assistir as startups de tecnologia. Em quatro anos, o fundo foi pago de volta, com juros e privatizado. Desde que esse primeiro fundo foi fundado com 100 milhões de dólares americanos, 309 fundos elevaram o valor para 25,2 bilhões de dólares americanos focados no desenvolvimento de tecnologia.

Crescimento Incrível



Em 1948, Israel foi fundado e imediatamente foi para a guerra. Durante toda a guerra, e mesmo depois, Israel enfrentou austeridade severa quando a população dobrou em menos de quatro anos. Houve controles governamentais rígidos sobre quase todos os setores da economia, enquanto eles experienciaram um dos crescimentos históricos mais rápidos do PIB. Em 1960, as medidas foram liberadas com o PIB anual em 2.599 bilhões de dólares americanos.


Com o investimento consistente, tanto estrangeiro como doméstico, bem como ajuda (principalmente dos EUA), sua economia continuou a crescer. Eles se abriram para o comércio exterior e sobreviveram à crise do petróleo dos anos 70, atingindo um PIB de 24.155 bilhões de dólares em 1980, quando a indústria de tecnologia decolou. Agora seu PIB é de 353,268 dólares em 2017.


Capital da Nação Startup



Israel tem a maior concentração de startups (per capita) do mundo, com 1 para cada 1400 pessoas em setores como Agricultura e Tecnologia Financeira, Farmacêutica e Segurança Cibernética. A indústria de tecnologia, como um todo, lidera o mundo com 4,9% do PIB do país dedicado a ela. Com a maior concentração sendo em Haifa (239), Jerusalém (389) e Tel Aviv (1937) (para referência, existem 2017 empresas de tecnologia em Silicon Valley).


Parte disso pode ser atribuída ao serviço militar obrigatório, que permite o trabalho em equipe colaborativo, não possui uma hierarquia definida e é orientado para objetivos. Ou pode ser o fato de que a idade média da cidade é de 35 anos. Mas, na verdade, as universidades, com cerca de 65.000 estudantes, são o principal motivo. Isso criou um paraíso para os campos relacionados com a tecnologia terem um enorme impacto.


Não é novidade que, na área da grande Tel Aviv-Yafo, o inglês é a segunda língua da maioria dos residentes. Isso tem uma relação de causa e efeito com a adoção da tecnologia. O idioma padrão para a maioria das linguagens de programação é o inglês, assim como os livros didáticos e tutoriais. Esta dependência da indústria no inglês promove mais residentes a aprendê-lo, o que atrai mais imigração internacional, levando a mais falantes de inglês e não-hebraico / árabe, para que mais residentes falem inglês para negócios, etc., etc.

Porquê Entrar em Tecnologia?



Muitas pessoas fizeram essa pergunta. Bem, há uma resposta bem simples. Recursos. Israel não tem nenhum. Há terras aráveis ​​muito limitadas no país, então eles querem ter certeza de usá-las para a agricultura tanto quanto possível. Eles não têm petróleo ou minerais para minerar. O que eles têm em Israel é uma força de trabalho muito bem educada e baseada na comunidade. Tel Aviv é o elo dessa cultura.


Essa força de trabalho altamente educada precisava de algo para melhorar sua economia. Com a queda da União Soviética, houve um grande influxo de engenheiros bem treinados, desesperados por trabalho. A explosão tecnológica que havia começado uma década antes era uma combinação quase perfeita. Com fortes conexões culturais e políticas com os Estados Unidos da América, que forneciam uma injeção saudável de investimento, a solução era óbvia para muitos. Como o software é mais sobre capacidades, muitas empresas de tecnologia viram a oportunidade que isso representava.

O Futuro de Tel Aviv



Você gosta de saber a rota mais rápida usando o transporte público? Você gostaria de pagar por um parquímetro com seu celular? E que tal semáforos mais rápidos? Como você se sentiria se pudesse carregar seu celular em um banco do parque? Todas essas são iniciativas que as cidades inteligentes estão adotando. Tel-Aviv Yafo conquistou o primeiro lugar no World Smart City Awards de 2014.


Não apenas Tel Aviv começou a implementar todos eles, mas eles estão desenvolvendo mais. A cidade está trabalhando com grandes empresas de tecnologia e startups para tornar a vida melhor para todos os moradores, visitantes e turistas. Outras cidades ao redor do mundo como Paris, Santiago e Nova York estão abraçando as possibilidades da tecnologia melhorar a vida das pessoas.


A próxima cidade que iremos falar, Singapura, mostrou um crescimento rápido semelhante em um período de tempo surpreendentemente curto. Parte de seu rápido sucesso econômico se deve à fusão de finanças e tecnologia. A subscrição no Invoice Home é um passo na mesma direção do povo e da cultura dessas duas cidades.



Se você precisar de ajuda ou tiver alguma dúvida, envie um email para support@invoicehome.com

Obrigado por usar o Invoice Home!